01/06/2016

Para quem nem pensa em parar de trabalhar ou para quem já se aposentou, as desculpas para escorregar na alimentação e abandonar os exercícios físicos são variadas. No entanto, em qualquer fase da vida é importante manter o corpo ativo e a cabeça arejada.

Os benefícios de manter o corpo em movimento são muitos, como ressalta o endocrinologista Rodrigo Siqueira, da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro. “A atividade física eleva a autonomia e a sensação de bem-estar, aumenta a força muscular e proporciona maior coordenação motora e equilíbrio. Por tudo isso, diminui a ansiedade e a depressão, trazendo mais independência pessoal e sociabilidade e controle do peso corporal”, enumera.

Ele lembra também que práticas regulares são uma importante maneira de prevenir doenças e melhorar o lado emocional. “Os exercícios físicos ajudam, especialmente, na prevenção de doenças como a hipertensão arterial, diabetes e doenças cardiovasculares (como infarto e acidente vascular cerebral). A liberação de substâncias durante a atividade que propiciam um efeito tranquilizante e analgésico contribui ainda para melhorar o lado emocional”, explica.

Na hora de escolher qual atividade praticar, o especialista ressalta que o mais importante é encontrar alguma prazerosa, o que diminui as chances de desistir. Siqueira explica ainda que a melhora na qualidade de vida já pode ser percebida após o primeiro mês de prática regular, sendo a frequência ideal entre cinco e sete vezes por semana. “Mas admite-se uma regularidade mínima de três vezes por semana”, completa.

Uma alimentação equilibrada também é fundamental para manter a qualidade de vida. Muitas das principais doenças que acometem as pessoas após os 60 anos podem ser prevenidas não só com a prática de exercícios, mas também com a ingestão de determinados alimentos. Segundo o médico, os idosos costumam apresentar maior carência de vitamina D e cálcio. A vitamina D é essencial na absorção do cálcio, e a carência desse mineral é responsável pela osteopenia e pela osteoporose. Para suprir essa ausência, é recomendável tomar sol diariamente, pois ela é produzida pelo próprio organismo, e só é metabolizada quando nos expomos à luz solar. Para o cálcio, é preciso ingerir leite e seus derivados, vegetais escuros (brócolis e couve, por exemplo), peixes e frutos do mar.

O coração também agradece pela alimentação balanceada. O médico orienta que uma dieta rica em fibras e pobre em gorduras, principalmente as saturadas, diminui os riscos de doenças cardiovasculares, como o infarto. Já na lista dos hábitos que devem ser evitados por serem considerados nocivos a um envelhecimento saudável, o endocrinologista enumera tabagismo, alcoolismo, obesidade e sedentarismo. Para quem ainda está trabalhando ou para quem já fechou esse ciclo, manter a saúde em dia é fundamental.

* Esta reportagem está publicada na Revista SERPROS nº 1 (nov/dez/jan 2014).

Corpo e mente sãos